Entrevista: conhecimento de inglês e mercado de trabalho

Olá, Pessoal!
Tudo certinho?

Hoje, conforme prometido, inauguramos a sessão de entrevistas aqui no blog.

Para começar em grande estilo, um assunto que interessa a todos: conhecimento de inglês e mercado de trabalho. Dúvidas sobre entrevistas de seleção, o que citar no currículo, o que ‘pesa’ mais nos testes , tudo respondido por uma profissional competente e conceituada da área de recrutamento e seleção, Angela Lima (que por sinal, tem um lindo nome, não acham?).
Então, vamos à entrevista:
- Ideia Básica: É relevante colocar no currículo os diplomas de cursos de inglês como fazíamos antigamente? (diplomas de escolas, franquias, por exemplo)
-Angela Lima: Não necessariamente, mas colocar o nome da última escola cursada e o nível do inglês ajuda bastante, eu gosto de encontrar no currículo o nível da língua como no exemplo:
Idiomas:
Inglês:- Fala (intermediário) Escreve (avançado) Lê (avançado) – “EscolaX” 2008 (último ano cursado).
Ou
Inglês:- Fala (07) – Escreve (09) – Lê (09) – cursando “EscolaX”
Isso dá uma boa noção à selecionadora do nível de inglês do candidato.
É Importante também colocar se ainda está cursando, pois se a vaga pede um inglês avançado, mas o aluno está no intermediário, mas está cursando, então está apto a concorrer a vaga.

- Ideia Básica:
E quanto a certificados internacionais, como TOEFL por exemplo, oferecem algum diferencial ao currículo?
- Angela Lima: Sim, a certificação dá a certeza da fluência da língua.

- Ideia Básica: Se o candidato tem apenas conhecimento básico de inglês, adquirido durante o Ensino Fundamental e Médio é importante inserir esse dado no currículo?
- Angela Lima: Não. Só deve incluir no CV a partir do Intermediário, também colocar no currículo o inglês básico ou intermediário e colocar que está “cursando particular” dá a idéia de puro “enrolation”, se for realmente particular, coloque o nome do Professor. 


- Ideia Básica: Como o conhecimento de inglês é avaliado no processo de seleção?
- Angela Lima: Geralmente, é entrevistado pelo profissional da área, fluente no idioma. Não raro, um primeiro teste é feito pelo telefone por profissional. Muitas vezes, escolas de inglês são contratadas para aplicação dos testes.

- Ideia Básica: Quais as habilidades são mais cobradas pelas empresas: a fala, a escrita, capacidade de ouvir/entender ou a leitura?
- Angela Lima: Capacidade de falar e ouvir são mais solicitadas.

- Ideia Básica:Com relação à gramática, ela é cobrada e apreciada durante o processo de seleção?
- Angela Lima: Quando o teste é aplicado por escolas, sim mas, primeiro é avaliado o idioma falado.

- Ideia Básica:
E a pronúncia é avaliada durante a seleção?

- Angela Lima: Sim, é a primeira avaliação.

- Ideia Básica: Você já entrevistou candidatos que mesmo tendo um nível avançado, “travaram” no momento de falar?
- Angela Lima: Sim, se o candidato não é bem preparado, ele trava.

- Ideia Básica: Você deixaria alguma dica, conselho para os profissionais que ainda não dominam a língua inglesa?
- Angela Lima: A dica é procurar uma escola ou um profissional sério, procurar avaliar se o professor é realmente capacitado, se a técnica utilizada vai ao encontro de suas necessidades e começar a estudar o quanto antes. Você vai ver que é bem mais fácil do que você imaginava.
Ah, e o diferencial salarial de um profissional com inglês é de mais de 30%.
Yes we can! You can! 

 ***
Valeu, Angela!
Certamente, essas dicas serão muito úteis para os nossos leitores!
Abraço e sucesso
***

 

Ângela W Lima possui formação na área Administrativa, é Headhunter há 10 anos. É especialista em Networking e Promotora de eventos.
Atua na área de Gestão de Pessoas desde 1986, atuou em agencias de empregos na cidade de Taubaté, tais como OBRADEC, AMAC, CONTRAT, todas na década de 1980 e 1990, como empreendedora foi proprietária da Bichoart‘s em São Lourenço-MG, onde treinou e administrou 27 colaboradores, todos adolescentes. No ano de 2001 voltou a atuar diretamente com Recolocação e idealizou o Vale Empregos, recentemente inaugurou o W-Lima (www.w-lima.com) para apoio à Recolocação diferenciada.

É a idealizadora e promotora de eventos tais como o “Pro-Vale Premio Profissionais do Vale” que homenageia profissionais do Vale do Paraíba que se destaquem como Profissional e como Ser Humano.

Idealizou e coordena a Comissão Organizadora do CONGREVAP- Congresso Valeparaibano de Gestão de Pessoas ( www.congvap.com.br), que neste ano estará em sua terceira edição.


Atua em diversos Grupo de Recursos Humanos no Vale do Paraíba, grupos presencias e on line.

Facebook Twitter Email

3 Responses to Entrevista: conhecimento de inglês e mercado de trabalho

  1. Daiana disse:

    Olá,
    Minha dúvida é a seguinte: Comecei a fazer um curso de Inglês, pórem ainda estou no nível básico. Devo colocar essa informação no currículo, ou não é necessário, já que estou aprendendo agora.

  2. Olá, Daiana! Obrigada por visitar nosso site.
    Colocar no currículo que tem nível básico de inglês é diferente de citar que está frequentando um curso básico. Isso demonstra que você está investindo no aprendizado da língua. Já o primeiro caso, passa uma ideia de alguém que se acomodou com um nível mínimo de conhecimento do idioma.

    Boa sorte!!

  3. Débora disse:

    Boa Noite, para o mercado nacional e internacional a certificação toeic, é bem vista ? Quanto tempo em média uma pessoa precisa se preparar para prestar a certificação toeic ?

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>